ISFLUP

trabalho, família e políticas sociais

O Grupo Trabalho, Família e Políticas Sociais organiza o seu trabalho em torno de dois desafios específicos de investigação. Um deles configura-se em torno da problemática da família, envelhecimento e género. O outro configura-se em torno do trabalho, emprego, profissões e organizações. Entre os dois desafios, existem interesses comuns quanto a temáticas de investigação: formação de políticas sociais nos domínios da família e da articulação entre a vida familiar e o emprego; interrelações e impactos das políticas laborais e das políticas para a família; dinâmicas demográficas, redes de apoio às pessoas idosas, igualdade de género e dinâmicas de relacionamento intergeracional; mecanismos de transição de e para o mercado de trabalho; exclusão social e grupos sociais vulneráveis; desenho e implementação de políticas de inclusão; papel do terceiro setor no desenho e implementação de políticas sociais.

A atividade do Grupo Trabalho, Família e Políticas Sociais no domínio do trabalho, emprego, profissões e organizações encontra-se vocacionada para analisar sociologicamente estes temas nas suas múltiplas vertentes.

Promovem-se ações que possibilitem o reforço da cooperação científica com outros centros de investigação e instituições não académicas, sendo o programa desenvolvido em torno de cinco objetivos estratégicos.

O primeiro abordará os processos de reconfiguração do trabalho e das organizações, para o pais e Região Norte, quanto à divisão e organização do trabalho, formas de emprego, conhecimentos e competências, condições de trabalho, desemprego, significado do trabalho e novas formas de organização das empresas.

O segundo incidirá sobre as relações entre o mundo do trabalho e a inclusão social, nomeadamente sobre as políticas sociais para jovens e adultos com baixas qualificações escolares e profissionais e os percursos profissionais erráticos.

O terceiro, que estabelece pontes virtuosas com o anterior, aborda o empreendedorismo, inovação social, economia social e solidária. Consolida-se a investigação pioneira em Portugal sobre a temática, com uma particular atenção ao empreendedorismo social, nas suas dimensões de criação de emprego e riqueza, prestação de serviços sociais, e ainda de inclusão social e combate à pobreza de populações vulneráreis socialmente, incluindo as de elevado nível de qualificações escolares. O estudo de viabilização de uma incubadora naquele domínio, no seio do Parque da Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, é um dos resultados esperados.

No quarto, estudam-se as profissões e as identidades profissionais, de modo a captar as suas configurações no âmbito do mercado de trabalho. As transformações das estruturas socioprofissionais no passado recente, os perfis profissionais dos gestores, dos investigadores científicos, dos animadores são campos de pesquisa principais.

O quinto objetivo focaliza-se nas relações entre ensino, mercado de trabalho e diplomados. Problematizam-se as posições e trajetórias profissionais dos diplomados no mercado de trabalho em termos do emprego, desemprego, profissões, estatuto laboral e competências profissionais.

No que respeita à análise da família, envelhecimento e género, a atividade do Grupo Trabalho, Família e Políticas Sociais será organizada em torno de quatro objetivos estratégicos.

O primeiro refere-se a mudanças nas famílias e resiliência, centrando-se no desenvolvimento dos indivíduos e das relações entre famílias e destacando as mudanças nos modelos de formação de famílias e os impactos dessas mudanças na configuração do espaço doméstico e no leque de tarefas tradicionalmente a cargo das famílias em matéria de educação das novas gerações. Adicionalmente, este objetivo inclui a análise do conflito no interior das famílias, com ênfase na violência doméstica (contra mulheres, crianças, pais e idosos).

O segundo objetivo estuda o envelhecimento no reduto doméstico e na comunidade. A investigação sobre este tópico foca-se essencialmente na análise da organização da vida na velhice, em especial quando estão em causa situações de dependência e fragilização social.Este objetivo implica o desenvolvimento de diversos projetos, designadamente: abuso de idosos – perfis de risco e fatores determinantes na família e em contextos institucionais; envelhecimento em territórios urbanos – trajetórias de envelhecimento em territórios diferenciados.

O terceiro objetivo refere-se à promoção da participação e da inclusão nos seus sentidos mais amplos e tendo em consideração as diversas relações sociais e atividades socioeconómicas: conciliação da vida familiar com a participação no mercado de trabalho; transição do mercado de trabalho para a reforma; aprendizagem ao longo da vida e envelhecimento ativo; idadismo e participação de trabalhadores mais velhos no mercado de trabalho; migrações e seus impactos nas relações intergeracionais; assistência e proteção social na velhice.

O quarto objetivo direciona-se para o estudo da qualidade e sustentabilidade dos sistemas de proteção social. Estudam-se, em especial, os trade-offs e caminhos alternativos de reforma e modernização dos sistemas de proteção social e a sustentabilidade destes sistemas, designadamente num país, como Portugal, que tem uma história institucional de proteção social de tipo tradicional.


Coordenação:
Carlos Manuel da Silva Gonçalves (Coord.)
Alexandra Cristina Ramos da Silva Lopes
Sofia Alexandra Soares de Miranda Ferreira Cruz