ISFLUP

recomposições sociais, cultura e território

O Grupo Recomposições Sociais, Cultura e Território (RSCT) estabelece o seu trabalho em torno de dois desafios específicos de investigação, um relativo aos processos de recomposição social e de estruturação das desigualdades segundo uma lógica de inscrição territorial, um segundo relativo à análise da criação artística, das práticas e políticas culturais. A partir dos quadros teóricos e metodológicos da sociologia das classes e da estratificação e da sociologia da cultura, o Grupo RSCT desenvolve investigação na convergência com a sociologia da juventude, a sociologia urbana, a sociologia das etnicidades, a sociologia das religiões e a sociologia política. Complementa este trabalho com a abertura de horizontes de pesquisa multidisciplinar à economia do desenvolvimento e à história económica, à antropologia do consumo e à sociolinguística interacional, fazendo do trabalho coletivo em torno do conhecimento do legado dos autores centrais das ciências sociais contemporâneas uma matriz fundamental da respetiva ação. Para além deste trabalho coletivo, o Grupo possui uma dinâmica de trabalho transversal consolidada no domínio de estudo das relações entre recomposições sociais e práticas culturais. Dando continuidade ao aprofundamento destes eixos centrais da respetiva atividade, o Grupo implementará um programa de investigação configurado em torno de objetivos estratégicos em cada um dos domínios específicos em que se encontra organizado.

Assim, no domínio das recomposições sociais e dos territórios, a atividade do Grupo está organizada em função de quatro objetivos estratégicos.

O primeiro visará aprofundar o conhecimento de vários aspetos da transformação do modelo de desenvolvimento português, nomeadamente sobre a evolução do atraso tecnológico, a desindustrialização e as mudanças nos sectores tradicionais.

Dando continuidade a um conjunto de investigações que tem procurado captar as incidências da crise económica e social na região Norte, o segundo objetivo aprofunda o conhecimento da inscrição social dos processos retratados no objetivo anterior e propõe-se produzir conhecimento sobre os domínios das recomposições sociais em espaços diferenciados, com referência a transformações recentes impostas pela crise.

Um terceiro objetivo incide sobre o estudo da literacia e das interações discursivas na sua relação com os processos de recomposição social. Serão desenvolvidos neste âmbito projetos de pesquisa centrados: a) na leitura e na literacia digitais; b) nas práticas linguísticas em contextos de habitação social no Porto; c) em estratégias discursivas desenvolvidas por agentes sociais em contextos desindustrializados da região Norte; d) em diferentes tipos de mobilidade de portugueses com elevado nível de qualificação (brain drain).

O quarto objetivo situa-se no domínio do simbólico, fundamentalmente o religioso, e tem como objetivo dar continuidade ao estudo, por um lado, da especificidade do catolicismo português e, por outro, da reconfiguração da paisagem religiosa em Portugal, transformação que se cruza com fenómenos de mobilidade geográfica e social e com a emergência de lógicas de mercado. Este objetivo procurará ainda estabelecer uma articulação constante com o domínio político.

No que respeita à análise dos processos de criação artística, das práticas e políticas culturais, o Grupo RSCT possui um plano de investigação com quatro objetivos principais.

O primeiro consubstancia-se no projeto As Políticas Culturais: Análise sociológica e Teoria Normativa e desenvolve-se como uma plataforma que acolhe e articula as múltiplas pesquisas conduzidas no país sobre as políticas culturais.

O segundo analisa os modos de relacionamento entre a criação artística e a contemporaneidade portuguesa, tomando por referência o modo como se desenvolvem expressões musicais alternativas, no quadro das culturas juvenis urbanas e o modo como, em diferentes disciplinas e linguagens artísticas, se enunciam e comunicam diversas interpretações sobre o presente e o futuro próximo, e se tecem discursos sobre a(s) identidade(s) portuguesas.

O terceiro objetivo centra-se nos processos criativos e organizacionais, no meio artístico, dando especial destaque à relação entre corporalidade e performatividade nas artes do espetáculo e às formas de organização de trabalho e de provisão e circulação de bens em organizações artísticas, públicas, privadas ou do chamado terceiro setor. O quarto objetivo explora as interrelações dos processos culturais e dos contextos sociais, de que o estudo da Orquestra Geração, isto é dos processos de integração social criticamente assentes em oportunidades e métodos de aprendizagem e expressão musical erudita, é um dos exemplos significativos. As atividades previstas incluem a análise crítica do desenvolvimento (e da ideologia) das chamadas indústrias criativas, assim como a indagação das potencialidades do espaço público para a afirmação, disseminação e ancoragem social de linguagens e eventos criativos.

Coordenação:

Augusto Ernesto Santos Silva (Coord.)
José Fernando Madureira Pinto